24/03/2017

Civilização dos Celtas


Existe uma pergunta que todo historiador ou estudante de história faz: Como um povo tão importante e interessante como os Celtas são geralmente esquecidos ?

Pela inexistência de dados e documentos originais, grande parte da história dos celtas é hipotética. Sabe-se, hoje, que se estendeu por 19 séculos, desde 1800 a.C. — quando, culturalmente, os celtas se individualizaram entre os demais povos indo-europeus — até o século I d.C, época da decadência motivada pela desunião entre suas várias tribos e a invasão romana às terras que ocupavam.

O período mais brilhante da história celta transcorre, aproximadamente, entre 725 e 480 a.C., na Era de Hallstatt, início da civilização céltica do ferro e, também, da invasão à Europa. Os celtas se instalaram em uma imensa região das atuais repúblicas Tcheca, Eslovaca, Áustria, sul da Alemanha, leste da França e da Espanha, alcançando a Grã-Bretanha. Nesta fase se consolidaram os traços particulares da civilização céltica.

Os Celtas foram o primeiro povo civilizado da Europa. Chegaram neste continente junto com a primeira onda de colonização ainda em 4.000 AC. Destacaram-se dos outros povos que chegaram na mesma época porque acreditavam em uma terra prometida e iam em busca dela. Em 1800 AC já tinham a sua cultura e o território totalmente estabelecidos, isso enquanto os gregos e os romanos nem sonhavam em nascer ( e há quem diga que eles são colônias celtas ).

Ocupavam a região da Alemanha, Bélgica, Holanda, Dinamarca, França e Inglaterra. Não eram lá muito calmos e pacíficos, para se ter uma idéia do como eram guerreiros, para um menino ser considerado homem tinha de passar por um prova que consistia em sair da cidade onde morava, sais da sua região, e trazer a cabeça de qualquer pessoa que não fosse Celta. Somente com a cabeça na mão é que se fazia uma tatuagem em seu corpo que dizia que ele agora era homem adulto. ... Por sinal em termos de rituais celtas tem outro muito, mas muito mais interessantes, clique aqui para saber mais.

Chegaram a desenvolver uma escrita, ela é tão complexa que hoje são poucos os que se atrevem a desvendá-la. A escrita era considerada mágica, e somente os seus sacerdotes é que a aprendiam, estes eram os famosos druídas. Inventaram lendas belíssimas, que estão entre as mais famosas dos dias de hoje, como por exemplo as história do rei Arthur e os cavaleiros da távola redonda, Tristão e Isolda, além de terem inventado quase todos os contos de fada ( que foram se modificando com o tempo )

Sem dúvida eram um povo com muita ciência unida a muita mística. Têm relatos praticamente inexplicáveis, como o de uma operação de transplante de coração, realizado em 1000 a.C., e o de Navios voadores que soltavam fumaça enquanto desciam e pousavam no meio dos campos da Inglaterra. Utilizaram com muita perfeição o monumento de Stonehenge , o qual dizem que não construíram ... outro mistério entre os tantos que o cercam.

Tinham um estrutura de família bem peculiar, se consideravam animais acreditavam em uma infinidade de deuses e demônios, por sinal, vocês sabiam que os simpáticos duendezinhos com seus potes de ouro são invenção dos Celtas, só que nesta história eles não são nada engraçados, são terrivelmente malvados e sarcásticos.

E numa cultura com tantas lendas, tantos seres malvados, tinham também grandes heróis ... e se espantem, o maior destes heróis era uma mulher, e o seu maior ato heróico era o poder gerar vários filhos por ano, 7 a 8, durante todos os anos. E com heróis querendo vencer demônios, tinham artefatos sagrados muito interessantes, são 4 os que influenciaram praticamente todo o nosso imaginário.

http://historiadomundo.uol.com.br
Leia Mais

16/03/2017

Beelitz-Heilstätten, hospital Abandonado


"Camas enferrujadas, edifícios cobertos de hera, corredores vazios, paredes cobertas de graffiti e a pintura descascando lentamente é o que resta de um gigantesco hospital, que uma vez foi tratado o líder nazista Adolf Hitler, depois que foi abandonado com a queda da Alemanha Oriental.

 O Beelitz-Heilstätten, é um complexo de tratamento no sudoeste da capital alemã, construído no final do século XIX para ajudar a reabilitar o número crescente de pacientes com tuberculose na cidade de Berlim em expansão.
Durante a grande guerra, Beelitz-Heilstätten - ou sanatório Beelitz - foi transformado em um hospital militar e foi onde um jovem Adolf Hitler foi tratado de uma lesão na coxa, adquirida durante a batalha de Somme.

Beelitz-Heilstätten foi construído entre 1898 e 1930 depois de uma iniciativa do Instituto de seguro nacional Alemão ao descobrir que a proximidade a Berlim em combinação com o ar puro do campo fariam com que o local fosse ideal para um sanatório.

Partes do complexo foram transformados em um hospital militar do Exército Imperial Alemão quando a I Guerra Mundial eclodiu e foi onde Adolf Hitler foi enviado para recuperar de seus ferimentos de guerra em 1916.

O complexo não tinha apenas instalações de tratamento, mas funcionava como uma pequena aldeia e tinha um açougue, um posto de correios, um restaurante, uma padaria e também sua própria estação de força que era tão poderosa que a neve nunca assentava no chão de Beelitz-Heilstätten.

Embora a crise econômica após a guerra viu muitas enfermarias fecharem, Beelitz-Heilstätten foi considerado uma vanguarda  global no tratamento da tuberculose.

Durante a Segunda Guerra Mundial vários edifícios foram bombardeados pelas forças aliadas e em 1945 foi ocupada por forças soviéticas e permaneceu um hospital militar soviético, mesmo depois da união das Alemanhas em 1990.
Hitler não era o único ditador à se recuperar em Beelitz-Heilstätten. Em 1990 o líder da RDA,v Erich Honecker recebeu tratamento para um câncer de fígado e depois ele foi deposto após a queda da Alemanha Oriental, Honcker usou o Beelitz-Heilstätten como seu ponto de partida para o seu voo à Rússia para escapar da acusação.

O exército soviético se retirou em 1995, depois que várias tentativas foram feitas para privatizar Beelitz - Heilstätten, sem sucesso.
Seções do hospital permaneceram abertas após os militares deixarem o lugar e foram usadas como um centro de reabilitação neurológica para ajudar quem sofre da doença de Parkinson.

Finalmente, em 2000, as últimas operações em Beelitz Heilstätten foram fechadas e o complexo foi completamente abandonado.
Exploradores urbanos descrevem o complexo como 'fácil de entrar' e muitos ficam perplexos pela facilidade de acesso e o fato de que nenhuma entrada é protegida e apenas algumas são tapadas.

Seu ar de 'cidade fantasma' chamou a atenção além daqueles que procuram explorar os seus jardins e Beelitz-Heilstätten foi usado como set de filmagem para o vencedor do Oscar O pianista e o filme de 2008 estrelado por Tom Cruise Operação Valkiria."

http://www.megacurioso.com.br











Leia Mais

07/03/2017

A Lagoa dos Barros e a cidade Submersa


Com suas águas turvas e agitadas, a Lagoa dos Barros, no Rio Grande do Sul, inspira temor naqueles que se aproximam e já foi tema de inúmeras histórias de assombração. Há quem diga que existe uma cidade submersa no local e que, em dias de ventos fortes, é possível até mesmo ouvir os sinos de uma igreja escondida na escuridão.

Para outros, um feitiço amaldiçoou a lagoa, impossibilitando que qualquer ser vivo fique por lá. Alguns moradores alertam para outro perigo iminente: o redemoinho, que sugaria qualquer um que tentasse nadar naquelas águas.


Talvez por essas e outras histórias é que quase nunca se vê um pescador no local.
Há uma lenda que se destaca: o caso da noiva-cadáver. Maria Luiza teria sido morta e agora o seu vulto, vestido de branco, assombra os visitantes.
A história surgiu de um crime real: na década de 1930, uma moça foi encontrada morta na lagoa. Para espanto dos que a encontraram, a jovem permanecia intacta, mesmo depois de dois dias submersa.


Não se sabe o real desfecho, mas a versão mais comentada é de que, logo após a cerimônia, os noivos foram passear pela lagoa e o homem, talvez possuído pelos espíritos malignos do lugar, enforcou a esposa com o próprio véu.
Outro rumor diz que um motorista da família, apaixonado e não correspondido, teria assassinado Maria Luísa e jogado o seu corpo na lagoa. Até hoje o crime não foi esclarecido, o que só aumenta a história em torno da noiva-cadáver.

Caminhoneiros relatam suas experiências com o espírito da noiva

Muitos caminhoneiros que precisam passar pela região afirmam ter visto o seu espírito dançando sobre as águas, em uma apresentação bonita, mas assustadora. Outros dizem até mesmo ter dado carona para a jovem, que, como fumaça, desapareceu magicamente.
Mito ou verdade, os moradores de Osório continuam achando que há algo de errado na Lagoa dos Barros.

http://www.megacurioso.com.br
Leia Mais

© Dállia Negra - 2016 | Template feito por: Adorável Design | Imagens de ícones e imagem do cabeçalho por: Jaque Design