27/02/2012

Contatos de Primeiro Grau


O testemunho de Discos Voadores observados a longas distâncias representa o mais volumoso número de registos sobre possíveis objetos ufológicos. Em seus estudos, Hynek estimou mais 57% dos casos como desse tipo1, estando entre eles um grupo considerável dos verdadeiros relatórios sobre OVNIs.2 


Serão considerados nessa categoria os testemunhos de objetos ufológicos onde não seja possível discernir com facilidade detalhes visuais na estrutura, além da forma geral e variações de cor ou luminosidade.


 Essa classificação equivale aos CI-0 da CBPDV – abarcando também CI-2, quando os objetos são observados apenas à distância.


Nesse nível de contato, um indubitável objeto ufológico potencial apresentaria as seguinte características:


1. Movimento não retilíneo ou varições dramáticas de aceleração;
2. Deslocamento silencioso;
3. Luminosidade própria, não advinda de reflexos;
4. Condições climáticas regulares;
5. Duração considerável.


Muitos fenômenos podem ser confundidos com potenciais ocorrências ufológicas.
Essas verificações descartariam a maior parte das possibilidades comuns. Todavia, a presença de todas elas – ou a ausência de alguma – não fornece um diagnóstico definitivo. Cada cado deve ser objeto de análise específica.


Na sequência, comentamos alguns dos principais fenômenos e aparelhos passíveis de confusão com objetos ufológicos.


AERONAVES

Aviões ou helicópteros podem, em certas circunstâncias, ser confundidos com objetos anômalos. Uma observação mais cuidadosa, contudo, pode facilmente distingui-los. Parte dos elementos relevantes, o padrão de iluminação, decorre de normas estabelecidas internacionalmente.


São característica desses aparelhos:


1. Corpo escuro que separa pontos luminosos;
2. Luzes de navegação: uma verde e outra vermelha, em lados opostos;
3. Luz anticolisão, vermelha, que pisca de forma intermitente;
4. Barulho audível, ainda que baixo;


No caso de aviões, eles também não param no ar nem revertem movimentos. É comum, no meio ufológico, que se relacionem certos avistamentos a projetos militares secretos. Mesmo tais aeronaves, contudo, tendem a possuir um conjunto de característica típicas, especialmente a emissão de ruído.4 


BALÕES SONDA

Balões-sonda são equipamentos utilizado para colher dados meteorológicos ou químicos nas camadas mais altas da atmosfera. Eles são formados por um estrutura de borracha cheia de gás hélio, carregando um paraquedas acoplado a um conjunto de sensores destinados a medir a pressão, direção do vento, umidade e outras informações em diferentes altitudes.


No instante do lançamento, os balões-sonda têm um diâmetro relativamente pequeno. Na medida em que sobem, a pressão atmosférica diminui e o diâmetro do balão aumenta, até que a baixa pressão vigente termina por fazê-lo explodir, sendo os equipamentos reenviados para o solo por meio do paraquedas, onde são resgatados.


Esses equipamentos costumam ficar oscilando entre 15.000 e 20.000 metros de altura, durante aproximadamente cincou ou dez horas. Três características os fazem ser confundidos: 


1. Movimentam-se de acordo com os ventos;
2. Refletem a luz solar, perdendo o brilho com o pôr do sol;
3. Podem permanecer praticamente estáticos durante muito tempo.


Para reconhecer um objeto como não sendo um balão-sonda, atente que eles possuem luminosidade apenas reflexiva, que geralmente não altera sua cor ou oscila de intensidade. Eles também não podem realizar guinadas ou mudanças súbitas de direção ou apresentar grandes acelerações. 


METEOROS

Meteoro é como se chama o fenômeno luminoso observado quando ocorre a passagem de um meteoróide pela atmosfera terrestre. Eles deixam um rastro em sua passagem, gerado pelo atrito do corpo com a atmosfera e, dependendo da sua velocidade e composição, podem apresentar muitas cores diferentes. Em alguns casos, também podem ser registrados sons. Um meteoro também podem ser chamado de estrela cadente.


As principais características que permitem diferenciar um meteoro de um OVNI são as que eles:


1. Não recuam, nem fazem mudanças súbitas de direção;
2. Não ficam parados (exceto que esteja vindo em direção à sua cabeça);
3. Deixam uma marca ao longo de sua trajetória;
meteoro "subindo" 


Devido a uma ilusão ótica, é comum que observar Meteoros que Sobem. A aparição dos meteoros pode ocorrer de forma isolada ou em cojunto, formando chuvas. A maior parte é de pequenas dimensões, pulverizando-se e desaparecendo no processo de entrada. Corpos maiores podem chegar ao solo, formando meteoritos.


NUVENS LENTICULARES

Em algumas circunstâncias, nuvens poderem apresentar formações curiosas, chegando a ser confundíveis com possíveis discos voadores. Isso ocorre, especialmente, quando elas possuem formato elíptico e se encontram, ao cair da tarde, numa altura diferente das outras formações atmosféricas próximas.


Apesar disso, contudo, elas continuam sendo nuvens. Isso significa que se movimentam ao sabor do vento, geralmente na horizontal, em sentido único e velocidade constante, com deformação plástica progressiva com o passar do tempo. Raramente a confusão entre uma nuvem e um OVNI sobrevive a uma observação demorada. É preciso, entretanto, ter cuidado com fotografias e testemunhos breves. 


Saiba mais sobre nuvens lenticulares e outros fenômenos atmosféricos associados em Estudo das Nuvens.


RAIOS BOLA

Os raios-bola são hoje um dos fenômenos mais intrigantes da ciência. Há muito material e pesquisa sobre eles, mais nada que defina precisamente que sejam ou como são formados. A linha geral é a de seriam um fenômeno natural e elétrico, cuja dinâmica é pouco – ou nada – conhecida.


Na verdade, há dificuldade até em estabelecer um comportamento padrão para eles, de modo que certos autores defendem até a existência de mais de um fenômeno distinto. Nesse âmbito, apesar de muitos afirmarem que raios-bola são confundidos com OVNIs, é possível que muitos ONVIs sejam confundidos com raios-bola.


Com base nas concepções mais aceitas, as características gerais esperadas para o fenômeno podem ser definidas da seguinte maneira: 


1. Possuem estreita relação com tempestades e eventos eletromagnéticos;
2. São pequenos, com diâmetro de até um metro;
3. São breves, durando apenas poucos segundos; 
4. Tendem a se aproximar do chão ou de estruturas.


Assim, fazem jus serem tratadas com cautela as ocorrência onde não haja clara influência de forte atividade eletromagnética, que durem muito tempo, envolva objetos de grandes ou que se afastem do solo e obstáculos.


Considerando as peculiaridades e relevância do fenômeno, temos uma seção que trata especificamente de Relâmpagos Globulares.


SATÉLITES

Não é comum visualizar satélites artificiais a olho nu, mas isso pode acontecer. Dependendo das condições de observação, um satélite pode aparentar desde de um pequena esfera fosca se deslocando pelo céu até uma grande elipse brilhante, como no exemplo acima, do Satélite de Comunicação Iridium.


1. Satélites se movimentam apenas em linha reta;
2. Sua velocidade aparente sempre se mantêm constante;
3. Apenas refletem a luz solar;


Para ser um satélite, é condição necessária que o objeto não altere o sentido ou direção de sua trajetória, não modifique sua velocidade, nem apresente padrões de cor e brilho que descaracterizem a reflexão da luz solar.


http://www.ufologiaobjetiva.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Dállia Negra - 2016 | Template feito por: Adorável Design | Imagens de ícones e imagem do cabeçalho por: Jaque Design