01/06/2012

Cemitérios

Eis o lugar de arrepios aos estúpidos
És onde minhas doces lágrimas descarrego
Noites e noites, morada de meus devaneios distraídos
E aos túmulos e a solidão me apego


Tamanha distração que nem licença peço
Ao me deitar sobre sepulturas particulares
Anjos mortos solitários em seus lares
E nessa morbidez lúgubre padeço


Um mar imenso de estacas e cruzes
Anjos de mármore, sinais da morte
Aqui na eterna escuridão, jamais acendam luzes
Nessa desgraçada vida nunca tive sorte

O barulho do mundo foi minha tortura
Aqui no mar do esquecimento, a paz é minha cura
Se na vida nunca tive sorte
É então que nesse cemitério prefiro a morte 


- O cemitério sempre esteve ligado a tribo gótica. Um lugar tranqüilo e sem incomodo no meio de uma mega-cidade como São Paulo. Como freqüentador quase que rotineiro desse mundo sinto que todo cemitério traz consigo uma atmosfera diferente da vibe que pulsa nas ruas da cidade. Não só nas grandes cidades, mas nas pequenas cidades do interior tive a mesma sensação. A tranqüilidade, o silêncio.


Para os góticos os cemitérios são um ponto de encontro tão comum quanto é o parque do Ibirapuera para a maioria dos habitantes da capital. Faça uma experiência, basta atravessar um portão e vai parecer que você está em um lugar diferente do que pulsa lá fora, mesmo sendo este no coração da cidade.


O silêncio só não é absoluto por conta dos automóveis que não param um só instante. Alguns vêem o lugar como um imenso museu a céu aberto e sentem-se deslumbrados com os imensos túmulos e a grande riqueza de detalhes que beiram a perfeição nas incontáveis obras de arte encontradas por lá. Admirar tais trabalhos para alguns é um ótimo passeio para um dia de domingo.


Os cemitérios são os melhores lugares para quem quer se livrar da idiotice desse mundo, de pessoas hipócritas e robóticas que são a maioria...


O meu mundo são os cemitérios, quando eu entro la eu respiro de verdade, parece que apenas existe aquele local em todo o planeta, por todo lado encontra-se a morte, escuridão, ventos calmos, uma sinfonia mórbida, o melhor lugar para refletir e namorar.



Draconian - Death, Come Near Me (tradução)

Oh, morte venha pra perto de mim
Seja a única pra mim, seja a única que apoia
Meus rios estão congelados, e mal escolhidos...
E as sombras me rodeiam adoecendo meu coração
Oh, morte venha pra perto de mim
E permaneça (do meu lado)...ouça meu choro silencioso
Na tristeza eu estou escondido, na cruz eu estou pregado
E a dor me rodeia congelando meu mundo...
Meu frio mundo
Na vida eu tenho falhado, por anos eu tenho lamentado
Congelado no tempo...deixado pra trás
O arrebatamento da aflição é todo para encontrar...
O arrebatamento da aflição é todo
"por trás da sombra da vida, a esperança perdida está aflita
Eu procuro a noite e espero encontrar um amor...
Então eu sufoco no silêncio de vida eternamente curta
As lágrimas enchem o vazio em meu coração errado"
Abrace-me agora, encantadora tranquilidade
Me dê um reino de milagrosa paz
Acalmando o desesperado grito em meu coração
Oh, morte venha pra perto de mim
Me salve deste vazio, frio mundo
Oh, vida, você tem me matado
Então me poupe deste caldeirão de miséria
Na vida eu choro, pra longe eu vôo
Escolhendo para cair dentro destas paredes
O arrebatamento da aflição é todo para encontrar...
O arrebatamento da aflição é todo.
Oh, derramo uma lágrima pela perda da inocência
Para abandonar espíritos que sofrem... no nosso
Choro pelo coração que se entrega à dor,
Pela solidão desses deixados pra trás
Vendo a dor e tristeza do mundo,
Sonhos de um lugar longe deste pesadelo
Nos dê amor e harmonia sob o coração da noite
Oh, morte, venha pra perto de nós e nos dê a vida.

Um comentário:

  1. Lugar belo de paz e reflexão, ao cruzarmos seu portão sentimos energias melhores.autenticcc

    ResponderExcluir

© Dállia Negra - 2016 | Template feito por: Adorável Design | Imagens de ícones e imagem do cabeçalho por: Jaque Design