28/03/2013

Leão

22 de Julho a 22 de Agosto

"A ti Leão, atribuo a tarefa de exibir ao mundo Minha Criação em todo o seu esplendor.

Mas deves ter cuidado com o orgulho, e sempre lembrar que é Minha Criação, e não tua. Se o esqueceres, serás desprezado pelos homens. Há muita alegria em teu trabalho; basta fazê-lo bem.

Para isso Eu te concedo o Dom da Honra
.


E Leão voltou ao seu lugar.

Principal Característica: alegria.
Qualidades: dignidade, generosidade, extroversão.
Defeitos: egocentrismo, autoritarismo, teimosia.

Elemento: fogo
Qualidade: fixo
Polaridade: masculino
Planeta regente: Sol
Exílio: Urano
Exaltação: Netuno
Queda: Mercúrio

Signo de liderança, de força criativa, entusiasmo e afetividade expansiva. É o fogo em sua "majestade" e exuberância. Símbolo de segurança frente ao meio exterior. O leonino busca o reconhecimento, e devido a isso pode se expressar de forma firme, dramática ou arrogante e autoritária. É regido pelo astro-rei Sol, o que confere brilho e criatividade. Características: emoção, força criadora, poder, comando, generosidade, espontaneidade, intuição, liderança, orgulho, vaidade, dramaticidade, exibicionismo, ego inflado. Leão tem a tendência a ser o centro das atenções, e esta particularidade pode expressar-se de forma positiva ou negativa.

Mitos do signo de Leão

Símbolo do poder vital e da soberania solar, Leão está ligado ao calor, à luz. Este animal aparece no Bhagavad-Gita, sob os traços de Krishna "leão entre os animais"; enquanto Buda é "leão dos Cakya" e Cristo é o "leão de Judá". Aos olhos dos hindus, o leão é uma manifestação do verbo criador. Guardião do misterioso castelo no ciclo arturiano e na conquista do Graal.

O mito do Leão de Neméia ilustra bem a dinâmica leonina. Hércules, no primeiro de seus doze trabalhos, enfrentou o leão, em frente a sua caverna, atirando-lhe flechas. Mas o animal era invulnerável a este tipo de ataque, devido à influência de Hera, que o dotara de poderes contra flechas, tacapes e lanças. A única forma de Hércules enfrentar o leão era entrando na caverna, munido apenas de um archote para iluminar o caminho. Ao enfrentar corpo a corpo o animal, sufocou-o pela garganta e retirou-lhe a pele, fazendo com ela uma vestimenta protetora, que utilizou posteriormente como escudo.

A batalha de homens contra animais é simbolicamente uma representação da luta do ego contra os instintos e impulsos que provém do inconsciente: dessa batalha se definirá a conquista da identidade pessoal. 

Como reconhecer uma pessoa de Leão

É muito fácil reconhecer um leão em público: basta localizar o pavão do pedaço, que você chegou nele. Ele estará abrindo e fechando seu leque emplumado, com um ar teatral e levemente superior, hipnotizando a platéia e esperando condescendente por aplausos. Seus gestos são largos e suntuosos, sua fala tem pausas dramáticas e ele pronuncia várias vezes "eu", "me", "mim", "comigo" - um leão nunca deixa de anunciar que a idéia genial foi dele, e graças ao talento ímpar dele o projeto grandioso (dele) finalmente saiu. O mais insólito é que ninguém vai achá-lo pomposo ou antipático: ao contrário, todos continuarão magnetizados por tanta realeza natural. Pois o egocentrismo leonino não tem nada de mesquinho. O leão é até pródigo demais: um rei que paga banquetes, empresta o carro e dinheiro de olhos fechados e arranja colocação para todos seus conhecidos, só esperando dos agraciados o devido reconhecimento e devoção eterna.

No coração do leão cabe todo mundo - o que lhe causa, às vezes, aborrecimentos inesperados. Sua majestade, com toda aquela pose, é um tremendo ingênuo, e vive na ilusão de que tal o mundo é uma extensão das virtudes leoninas, e seus contemporâneos são réplicas motorizadas dos cavaleiros da Távola Redonda. É aí que o leão quebra a cara. Mas nem assim abaixa a juba - ele é orgulhoso demais para ficar remoendo as mesquinharias do dia-a-dia, que encara como meros acidentes de percurso. Sua falta de objetividade é diretamente proporcional ao otimismo narcisista: todo leão está convencido de que o sol se levanta para ele, não por motivos astronômicos.

Portanto, ame-o ou deixe-o. E se você se decidir pela primeira hipótese, ganhará uma fera em lealdade para o resto da vida. Porque, ao contrário do astro que rege este signo, o Sol, o leonino não brilha sozinho. Depende de alguém para conseguir irradiar luz - e isso ele reconhece. Sem um refletor que amplie e aperfeiçoe sua auto-imagem, ele não passará de um empoeirado e gasto leão de tapete.

Perfil Detalhado do Signo de Leão

O quinto signo do zodíaco tem como função básica a fixação da germinação que ocorreu no escuro silencioso e protegido de Câncer, o signo anterior. Leão significa o momento em que os primeiros frutos dão rebentos, uma vez que a semente foi bem plantada. O produto é bom e forte se a semente recebeu o ambiente propício para se fortalecer. Signo fixo, Leão simboliza a força da criação, os primeiros resultados que irrompem, a despeito de todas as dificuldades. Daí a analogia do signo com o desafio e com a auto-afirmação.

Desafiar o ambiente externo, que pode ser hostil e inóspito é algo que precisa ser feito com coragem, focalizando apenas o desejo de ser, a despeito de todo o movimento em contrário que possa existir. O Leão é conhecido pela força – até mesmo autoritária e tirânica – com que impõe sua vontade, curvado que é à paixão de realizar seu próprio destino: florescer, frutificar, criar, com toda a nobreza e honra que algo criado possui.

Dizem que o Leão é o rei dos animais e ele bem que simboliza essa qualidade leonina da honra, mas também do amor à prole, pois é signo gregário, que protege a cria – afinal, ele sabe a importância da luta pela vida. Para poder lutar pela sobrevivência e se impôr enquanto ser existente, o leão precisa ser centrado em si mesmo, alguém que precisa ser admirado – pela simples razão de existir da melhor maneira.

O Leão é também o educador, aquele que dá o exemplo de si como lição de vida a outros. Apesar de gostar de ser admirado e apreciado, sabe ser magnânimo e dar seu amor. Um temperamento ardente e apaixonado, que precisa ser aceito e para isso explora com maestria suas capacidades, assim é o Leão, que pode até almejar o poder para conseguir ter mais destaque na comunidade. Contudo, irá fazer o melhor para o bem comum.

Na saúde, Leão rege o coração – onde se encontra um centro de energia (chakra=círculo) responsável pelo amor altruísta - os olhos, que têm o conhecimento direto da intuição que move o signo, que é uma característica do Fogo, e o sistema sanguíneo, responsável por levar a vida a todos os órgãos. Afecções nessas áreas sempre identificam dificuldades em dar ou receber amor, por motivos os mais variados, causados por um sentimento de impotência, ou até mesmo problemas na visão, que indicam a incapacidade de ver, ou seja, de seguir a própria intuição. O desânimo diante da rejeição é algo que o leão recebe mal, tornando um dos maiores problemas de saúde para ele, que se torna deprimido e melancólico.

Na profissão, Leão se adapta muito bem às atividades de liderança, risco e desafio, em que possa explorar seus atributos e continuamente se superar. A educação também lhe cai bem, pois é um mestre nato, que só ensina o que pratica e só compreende a educação como uma forma de desenvolver as habilidades de cada pessoa ao máximo. Por ser um signo fixo, movido a intuição, Leão não costuma abandonar a batalha pelo meio, teimando até o fim na sua realização.

No amor, Leão se destaca muito com seu romantismo, dramaticidade e sensualidade. Signo do amor cortês, da conquista e das provas de amor, mais parece um cavaleiro andante quando está amando. Faz de tudo para ser o centro das atenções, mas também trata como uma pessoa especial o ser amado. Galante e possessivo, o que mais o atordoa é a rejeição, o descaso e a frieza.

Seu elemento é o Fogo, sua pedra é o olho-de-tigre, a pirita, o crisólito, seu metal é o ouro, sua cor é o dourado, o amarelo e todos os tons do fogo quando forte. Astro regente: Sol.

Decanatos e Personalidades do Leonino

- 1º Decanato: É sociável, afetuoso e fiel, porém seu caráter é violento (22/07 a 02/08).

- 2º Decanato: Destaca-se pela autoconfiança e ambição; eleva-se por suas próprias forças e méritos (03/08 a 12/08 ).

- 3º Decanato: É simpático, generoso e amável em palavras e ações porém inflexível em suas opiniões (13/08 a 22/08).

Análise do Leonino

Sexo, para você, pode ser comparado à quebra da rotina, com um quê de renovação; é a expansão e representa prazer e apreciação, porém sexo também pode significar limitação. Certamente, o sexo pode ser gratificante, mas poderá haver sacrifício em outros níveis, como por exemplo mental, social ou profissional. A Quinta Casa representa o sexo. Sua Quinta Casa Solar é Sagitário, cujo regente é Júpiter. Isso combina com seu regente, o Sol, para produzir grandes expectativas. Você quer estar em evidência, ser o centro das atenções. Mas, pode se afligir com medo de que não será capaz de corresponder às expectativas. Você é impulsivo e impetuoso. O respeito pelo potencial de seu parceiro tem um papel muito importante. Se essa forma de respeito pelo potencial não está presente, você tende a tornar-se dominador. A solução é buscar alguém a quem respeitar, intelectualmente e também de outras formas. Você atrai inúmeros casos amorosos. Tanto homens como mulheres de Leão têm grandes expectativas a respeito do amor. Homens e mulheres de Leão tendem, às vezes, a sufocar seus amados. O desafio é bom e também construtivo. Mas ele também é tenso. Sagitário é o signo que lhe tem efeito mais direto quando se diz respeito à atração física. Você não gosta de ficar sozinho. Porém, sua natureza impulsiva que, às vezes, pode se tornar furiosa, poderá levá-lo a ficar solitário. Como Leonino, homem ou mulher, você quer ser admirado, olhado e apreciado, especialmente quando se diz respeito ao sexo. Deseja tanto atrair o parceiro ideal que pode não reparar em alguém que lhe seria harmonioso. Se você quer ganhar prazer, deve estar disposto a se envolver inteiramente com o aqui e agora, não com o que está distante ou algo que já se foi. Você pode se tornar um amante preguiçoso; quando deseja que seu parceiro seja romântico, está apenas querendo ser agradado. Seu desejo pela aprovação é enorme. Evite ser arrogante e conseguirá a aprovação que tanto procura. Sexo pode ser uma experiência satisfatória. Pode levar à felicidade e transformar a solidão em uma palavra desconhecida. Não se preocupe tanto com as aparências, não seja orgulhoso e não se preocupe em ser o "vencedor". Agindo assim, você libertará as emoções, que lhe garantem companhia, admiração, sexo e amor.

A Mãe do signo de Leão

Se você tem uma leonina por mãe, aprendeu a louvar a rainha que existe em toda mulher. Ela não é fácil, mas é uma mãe e tanto. Afinal, quem é que te ensinou a lidar com os poderosos, a ganhar a atenção do público, a expressar sentimentos e crenças com convicção e a dar provas de amor eloqüentes e apaixonadas?

Ela também ensinou que você deve manter a palavra dada e ter um caráter firme. Tudo isso é mais do que suficiente para relevar as crises autoritárias da mãe leonina e a mania que ela tem de sempre achar que sabe o que é melhor para você. Melhor deixar isso de lado e se lembrar do sorriso de triunfo que ela deu quando você ganhou aquela medalha na escola ou foi bem em uma prova.

O Pai do signo de Leão

O pai leonino tem um lado de chefe mandão, mas chora se for relegado a segundo plano. Ele vai até o inferno por quem ama, pois quer dar um exemplo de valor e honra aos seus filhos. E espera ser reconhecido por isso.

Na pior das hipóteses, você está lidando com um tipo intuitivo, intenso, um pouco autoritário e controlador. Uma de suas frases preferidas é "Eu sei o que é melhor para você". E foram tantas as vezes que o tempo comprovou que ele estava certo que é melhor dar um voto de confiança para esse Leão caseiro.

Ele é uma pessoa que se fez sozinha, e não admite menos do que o respeito por isso. Os leoninos são também um tanto vaidosos. Vale a pena lembrar disso na hora de presenteá-lo.

A Criança do signo de Leão

O leonino é uma criança fogosa e exuberante, que chama a atenção e polariza as atenções. Isso pode provocar nas mães um certo ciúme, mas é bom se acostumarem. Essa criança surpreende pela sua personalidade, onde se destacam virtudes nesperadas como a benevolência, a justiça, a generosidade, a sabedoria e a criatividade.

Por outro lado, graças a essa personalidade pode se tornar um tanto convencida, vaidosa e arrogante, com ares de superioridade, espezinhando as outras crianças ao seu redor. Essas são, inclusive, as características negativas que precisam ser corrigidas desde cedo, para não estragar uma personalidade forte e vigorosa. O autoritarismo, a arrogância, a presunção e a condescendência pode tornar essa criança muito desagradável.

O Futuro
Essa criança nasceu para comandar e, graças ao carisma, ao espírito organizado e à capacidade de trabalho, sai-se muito bem como autônomo. O trabalho para ela terá que ser desafiador e dar prestígio. Detestará servir pessoas inferiores em potencial.

A Saúde
O coração e a coluna vertebral são os problemas mais acentuados dessa criança, embora a saúde física seja um dos aspectos mais positivos desse signo, que dificilmente adoece. Os pais devem estimular a prática de esportes, principalmente a natação e desde cedo controlar a alimentação e evitar a obesidade. 

Como será sua Chegada em Casa?
O filhote de cachorro é o leão típico é brincalhão, feliz e jovial quando ele fizer as coisas ao modo dele. Você se lembra quando foi pequeno e havia um amigo que quando você não tinha dinheiro, e era ele que lhe emprestava para você comprar o sorvete que tanto gostava? Este era um Leonino. Embora se mostre muito seguro de si mesmo, não deveriam ser desprezados. Isto criará feridas grandes no ego frágil dele. Trate de não chamar a atenção dele em público porque eles podem atacar para defender a honra e a vaidade deles. É bom encorajar as qualidades de líder, porém devemos ensinar o respeito e que cada um tem sua própria vida, porque este é o caminho justo. Eles têm um grande senso de justiça. Ele não é agressivo. É só um impulso de ser o líder o que move isto. Existe uma qualidade de majestade que os leoninos têm. Eles tem um sentido de dignidade inato. São pessoas temidas e muito ativas. Eles têm a tendência para desabar na preguiça e ficar sentado na frente da televisão. Quando isto acontecer, deixe-o só de forma que entenda que ninguém é empregado deles. Se quiser algo, ele pode adquirir por si mesmo. Existem dois tipos de leoninos. Alguns são extrovertidos, calados, generosos e alegres, outros quietos e quase tímidos superficialmente. Estes últimos devem ter sofrido algum problema que os marcou profundamente. Eles precisam que o ego seja mimado e massageado. Claro, mas sem exageros, porque você gerará um tirano. Eles aprendem rapidamente, quando querem, mas eles têm tendência à preguiça. Deveriam desenvolver hábitos de estudo e o modo de fazer isto é apelando para o seu ego, impelindo-o para ser o melhor. Também é necessário desenvolver hábitos de economia, pois sua tendência é para gastar mais que o resto dos amigos. Não é nenhuma tarefa fácil criar um filho ou filha de Leão. Eles precisam de afeto e contínua disciplina. Amor e afeto são duas chaves mágicas para abrir aquele coração maravilhoso. Lembre-se que eles buscam ser muito ferozes, mas no fundo eles escondem os medos como o resto dos humanos. O abrace todas as noites fortemente, o ame com todo seu coração e você achará sempre nele ou nela a seu filhote de cachorro.

O Animal de Estimação Leonino

Leais, sociáveis, enérgicos, brincalhões e extremamente afectuosos. É este o perfil dos animais Leão. São óptimas companhias para crianças e estão sempre prontos a fazer gracinhas. Actores por natureza, são ainda ideais para ensinar truques.
Os animais de estimação deste signo necessitam também de bastante atenção e, por isso, talvez tenha que os pôr na linha. Senão monopolizam tudo e todos. Contudo, nunca cometa o erro de ignorar o seu pequeno Leão. Como Rei dos Animais tem todo o direito a ser notado, prezado ou, mesmo, adorado.

O beijo do Leonino

Atenção, atenção: por favor, luzes aqui, que Leão vai beijar!!! O grande amante (e exibicionista) do zodíaco não sabe do que é que gosta mais: beijos cinematográficos, ou o efeito de seus beijos cinematográficos. Mas, enquanto ele não decide, entre na dele, e por favor não ria. Encare com coragem se ele ou ela resolver lhe dar um daqueles beijos de dobrar a espinha, em pleno calçadão do centro da cidade. E, claro, não venha com esta de beijinhos escondidos, ele quer mais é que todo mundo veja e comente, e obviamente bata palmas calorosas depois! Mas, falando do beijo em si, e não do teatro em torno dele, um beijo leonino será sempre afetuoso, cheio de calor e intensidade, que afinal os de Leão não toleram não ser inesquecíveis. Sobreviva a este beijo, se puder.

Rituais para o Ano novo do Leonino

Escreva suas lembranças ruins em um papel e jogue-o em água corrente, pedindo que as dores sejam lavadas da memória. Faça uma lista de desejos, embrulhe nesse papel um rubi ou outra pedra vermelha e guarde numa caixa dourada. Feche os olhos e mentalize a pedra, cheia de luz vermelha e dourada, dentro do seu coração. Derrame no corpo, durante o banho, um chá de folhas de cipreste ou cedro com três gotas de óleo de sândalo. Peça ação, mas com consciência. Vista-se de dourado e azul-turquesa. À meia-noite, coma sete amoras e brinde com vinho tinto. 

Fontes dos textos:

Terra Esotérico
Horoscopo Signo
Portal TopGyn
Leia Mais

26/03/2013

Elfos


Em todas as épocas, os homens sempre acreditaram em forças, poderes e seres ocultos. Ao contemplarem o azul celeste, viram deuses e os descreveram. Ao olharem o mar e mergulharem em suas águas, encontraram um estranho habitante coberto de escamas. A curiosidade entretanto, levou-os a pesquisar mais a fundo e descobriram então, um mundo de corais, arrecifes, seres com variadas formas, inclusive com dorso humano e rabo de peixe. E, por último, os olhos humanos voltaram-se para a terra, aventurando-se nos bosques, nas montanhas, nos lagos e nos rios. Ali sussurravam um universo de presenças invisíveis. 

Eram eles: fadas, ninfas, gnomos, elfos, gigantes e anões. Foi então, que os homens, fascinados com a existência destas criaturinhas, foram em busca de um maior conhecimento de toda esta gama de magníficos seres. É na península escandinava (formada pela Finlândia, Noruega e Suécia), que encontramos as mais belas descrições dos Elfos, considerados membros de uma antiga cultura, amantes da música, da dança e das artes. Dominam também, os segredos da natureza e de ervas mágicas, conhecem os astros, viajam sobre os raios do sol, podem atravessar qualquer elemento, entretanto, preferem a cercania das águas. 

Os Elfos só se popularizaram a partir das descrições e imagem do filme "O Senhor dos Anéis", mas eles já faziam parte de mitos e lendas de muitas outras culturas. Estes seres são uma raça ancestral, que quando as tribos humanas primitivas se dedicavam a lutar entre elas, eles já navegavam pelos oceanos e traçavam cartas estelares. 

Ao negar a crença em fadas e elfos, o homem moderno também renega sua própria infância aqui na terra. Será que o ideal racionalista e materialista do século atual tem razão contra os vários milênios de crenças? Em nome de que razão estreitamente cartesiana haveria de se negar a presença de entidades intermediárias que asseguram a relação entre o homem, a natureza e o divino? A resposta não está só na Igreja com seus dogmas monoteístas, que muito fizeram, é bem verdade, para demonizar os representantes do Pequeno Povo, mas também no homem que, para industrializar a sociedade teve primeiro que negar os espíritos guardiãs da natureza. 

Hoje colhemos os frutos dessa decisão: contaminação do ar e das águas, superaquecimento do planeta que estão provocando furacões e catástrofes ecológicas, epidemias, etc. Se o homem temesse a vingança das ondinas e das sereias, se atreveria a encher de detritos e nitratos os rios e os oceanos? Contaminaria a atmosfera com as chaminés das fábricas? Muito embora o homem não creia nos elementais da natureza, isso não impede que esses elementos façam a natureza enlouquecer. Não seriam a multiplicação dos tremores de terra uma advertência dos gnomos? O nascimento de inúmeros furacões, um grito de alerta dos silfos? Os tsunamis, agora tão devastadores, uma reação das ondinas e das nereidas? E os incêndios florestais da atualidade, uma condenação das salamandras? 

O homem atual, tão sábio e poderoso, poderá agora encontrar solução para esses problemas que ele mesmo criou? Para quem não crê em magia, mas só na ciência e em seu convencimento político, vai ser bem difícil conter a fúria da natureza, pois os devas da natureza não são previsíveis e muito menos corruptíveis, não se vendem, nem aceitam receber "mensalões", estão pouco ligando para o poder ou para riqueza material. Os elementais só nos ajudarão se também forem ajudados, se tivermos como meta, assim como eles, a preservação da vida. 


MITOLOGIA NÓRDICA 

É a "Edda de Snorri", que nos relata que o mundo nasceu do choque de uma matéria quente com uma fria em um espaço mágico conhecido pelo nome de Ginnungagap. Os primeiros seres que habitavam este mundo eram os gigantes dos céus e o mais velho deles era o Ymir. Do suor condensado de Ymir, nasceu Bruni, que será o pai de Borr, que por sua vez, se casará com Bestla, filha de outro gigante. Os três primeiros filhos do casal, serão os primeiros Ases: Odin, Vili e Ve, que mataram o gigante Ymir, formando com seu sangue o mar e os lagos, com seus ossos as montanhas, com seus dentes as rochas, com seus cabelos as árvores. Com a parte côncava do crânio criaram o céu, com o seu cérebro as nuvens carregadas de neve e granizo e com as faíscas que provinham da terra quente, criaram-se os astros. Com a testa de Ymir, os deuses formaram a Midgard (Terra Média), destinada a tornar-se a morada do homem. No centro desta terra fizeram muralhas com os cílios de Ymir. Para si, os Ases criaram outra fortaleza, o Asgard. Por decisão dos deuses, dos vermes que surgiram do corpo em decomposição de Ymir, nasceram os elfos. 

Alguns desses elfos eram claros, criaturas muito boas e belas, também conhecidos por "elfinas", habitavam o ar. Já outros, eram escuros, justamente por serem malignos, passaram a habitar as regiões subterrâneas da terra, longe da luz do sol. Os elfos claros ou de luz, vivem nos grandes bosques, vestem roupas verde para camuflar-se entre as folhas das árvores, motivo pelo qual nunca conseguimos vê-los. Seus olhos são claros, sempre da cor azul ou verde e seus cabelos são quase brancos. Suas orelhas são pontiagudas como as dos duendes. Esses elfos adoram celebrar grandes banquetes e suas festas são animadas com alegres músicas. Eles preferem passar breves momentos felizes do que longos períodos tristes. Vivem o agora, desfrutando da melhor maneira possível cada momento que passa. Os elfos escuros são considerados malvados e perigosos. Se divertem causando dano aos seres humanos. Muitas das enfermidades e defeitos físicos dos homens da Antigüidade, eram atribuídos aos elfos escuros. 


ASPECTO FÍSICO 

Os elfos possuem mãos e pés grandes em comparação ao resto de seu corpo. Suas pernas são extremamente finas e apresentam orelhas e narizes pontiagudos. Suas bocas também são muito largas. Já sua pele é geralmente rugosa, mas sua cor vai variar segundo a tribo que pertence. Eles são de uma natureza intermediária entre o homem e o anjo, apresentam espírito inteligente e curioso, corpo fluídico e são mais visíveis no crepúsculo. 

Os elfos da tradição escandinava e celta medem cerca de 25 a 30cm. Entretanto, não são todos iguais, pois alguns são conhecidos como elfos de luz e outros como elfos escuros. Os elfos luminosos possuem o corpo transparente e, como tais, podem atravessar qualquer corpo sólido. Inclusive podem demorar-se sobre o fogo, sem que esse chegue a afetá-los. 

Os elfos, portanto, podem viver no interior de qualquer lugar, mas preferem construir suas casas, muito ocultas e saindo somente a noite para evitar de serem vistos. Os elfos escuros são em maior número que os luminosos e habitam o interior dos troncos das árvores, em cujas imediações adoram viver. Mas como também são amantes da música, podem ser vistos nas correntes dos rios, no mar e nos saltos das cascatas, que possuem seu próprio ritmo. Dos sensuais lábios dos elfos, desprendem-se doces canções, que encantam os ouvidos de qualquer mortal. 


ORGANIZAÇÃO SOCIAL

A organização élfica varia dependendo de cada povoação que estão dispersas pelo mundo inteiro e vão desde pequenos assentamentos até grandes cidades. A estrutura social de cada povoado dependerá de diversas opções, normalmente são governados por um conselho de sábios, feiticeiros e militares ou algum regente. Os elfos possuem uma variedade de ocupações que vão de guerreiros a agricultores e até construtores e guardiães das portas do céu. Destacam-se ainda pelo grande conhecimento sobre artes. 

Todas as cidades élficas são dotadas de grande beleza, pois são seres muito habilidosos em todas as tarefas que empreendem. Seus gostos são refletidos em suas obras e suas casas. Se interessam pela beleza da natureza, pela dança, pelo canto e pelo jogo. Não fazem amigos com facilidade, pois são muito reservados. Procuram manter-se afastados dos humanos. Os elfos são temidos por outras raças, pois são excelentes guerreiros e caçadores. Acreditam que qualquer forasteiro é um inimigo em potencial, que poderá roubá-los e enganá-los. Entretanto, os ataques dos elfos contra inimigos, raramente são sangrentos. 

Exatamente igual as fadas, os elfos desempenham um papel no equilíbrio, na saúde e no crescimento das plantas. Enquanto os gnomos cuidam da semente subterrânea, as fadas do broto da planta fora do solo, os elfos cuidam de que o sol a toque e do mecanismo da fotossíntese. Os elfos recebem os nomes de: "nis" na Alemanha, "nis-god-drange" na Dinamarca e Noruega, "tylwithes" na Inglaterra, "duende" na Espanha, "esprit follet" na França. Na Escócia se distinguem os "dun-elfen" (elfos das dunas), os "berg-elfen" (elfos das colinas), os "munt-elfen" (elfos das montanhas), os "wudu-elfen" (elfos dos bosques) e os "woeter-elfen" (elfos das águas). Na Irlanda são conhecidos com o nome de "Daoine Side", os "habitantes das colinas das fadas", pois esses espíritos ocupam, se diz, magníficos palácios subterrâneos dissimulados nos interior dos verdes montes das pradarias irlandesas. 

Com o passar dos séculos, o povo dos elfos e dos homens se afastaram progressivamente um do outro, evolucionando em universos separados e paralelos que só se encontram excepcionalmente. Espera-se que um dia, os elfos saiam de seus esconderijos subterrâneos e estabeleçam uma nova aliança com os homens, no seio de uma natureza reencantada. 


AS ILHAS FEÉRICAS 

Não há mapa que nos conduza até as ilhas e regiões féericas. Os meios de chegarem até elas não é dado a todo mundo e a viagem de regresso não sempre está assegurada. Nos relatos da Idade Média há muitos relatos sobre o mundo das fadas e dos elfos. Esses reinos se denominam ilhas Encantadas, ilhas Bem-aventuradas, ou ilhas Afortunadas. Frente à costa de Bristol, em Somerset, se encontra, ao que parece, uma ilha feérica, chamada de "Terra Verde do Encantamento", que é invisível ao olho humano. E, ainda acredita-se que exista várias ilhas invisíveis frente a costa galesa. Mas, há ilhas reais que também são ilhas feéricas, como é o caso da ilha de Man, antiga morada do Deus Manannam Mac Fir, cujas freqüentes brumas são fruto de um encantamento. 

Essa ilha alberga numeroso contingente de fadas e elfos, assim como espíritos terríveis, os "sangres", que têm por costume de deslocar suas moradas subterrâneas na noite da festa de São Martim, em 11 de novembro. Se aconselha a não passear só nessa noite. É nessa ilha, onde a Wicca, organização oficial das bruxas do século XX, elegeu em 1951, uma "Rainha das Bruxas", Monique Wilson. Essa fundou um museu de bruxaria em Castletown e propagou durante toda a sua vida a prática do naturalismo, fundamento de um contato harmonioso entre o ser humano e a natureza. 

Entretanto, a ilha feérica mais conhecida é a de Avalon, um paraíso acessível unicamente a seres do Reino das Fadas e aos valentes cavaleiros que, por sua pureza e seu amor, se tornam dignos de ser admitidos nela. O lendário rei Artur, a quem o poeta Lydgate do século XV descreve com um "rei coroado no país das fadas", foi levado mortalmente ferido para que o assistissem quatro rainhas fadas. Dessa ilha veio o povo élfico de Tuatha De Dannan, ou seja, a "tribo de Dana". Esse povo foi expulso da ilha pelos Firbolgs e foram para a Irlanda, onde reinaram por longo tempo, até que novos invasores da raça humana, os expulsaram da superfície da terra e os condenaram a invisibilidade, como resultado da batalha de Tailtenn. Os nobres elfos edificaram suas novas moradas embaixo das colinas e nos lagos da Irlanda a fim de perpetuar sua espécie longe dos humanos. Os elfos também são chamados de "Daoine Sidhes", o povo das colinas. "Sidhe" quer dizer "colina" em gaélico. Evans Wentz, nos indicou: "Dois povos que co-habitam hoje na Irlanda: um povo visível, ao qual chamamos de celtas, e um povo invisível, que chamamos de elfos. 

Existem relações constantes entre esses dois povos, inclusive hoje em dia; pois os videntes irlandeses dizem que podem perceber os belos e majestosos Sidhes, e segundo eles o povo dos Sidhes é diferente do nosso, igualmente vivo e sem dúvida mais poderoso". 


PAÍS DOS ELFOS 

Os elfos, segundo as crenças celtas, raptam e deixam prisioneiros em seu reino os homens. Eis aqui o relato de uma lenda escocesa recolhida por Walter Scott, que ilustra a crença: "Um tecedor perde sua mulher. Essa morre entre convulsões e seu cadáver fica tão desfigurado que os vizinhos pensam que os elfos a raptaram e substituíram seu verdadeiro corpo. Quando o tecedor está considerando seriamente voltar a se casar, sua esposa morta lhe aparece numa noite e diz que não está morta, mas sim cativa dos elfos e, que pode, se ainda a ama fazê-la voltar daquele triste reino de "Elfland". Porém, o homem acaba não fazendo o que o fantasma lhe pede." Outro relato foi recolhido na Dinamarca: "Um camponês perde sua mulher. Uma noite em que passa perto de um Monte de Elfos vê sua esposa dançando com outras pessoas. Como ele a chama pelo nome, ela se vê obrigada a segui-lo, porém a sua vida não voltou a ser como antes: a mulher não parava de chorar na cozinha". 

O mais simples dos mortais que tenha ocasião de conhecer o País dos Elfos, jamais vai se recuperar, pois dizem que a experiência é tão deslumbrante, fazendo com que a vida humana não seja mais interessante. Isso deve-se, por serem os elfos os mais perfeitos músicos e dançarinos que aos olhos e ouvidos humanos não existe nada mais belo de ser visto e ouvido na terra. As histórias de raptos de seres humanos por parte dos elfos abundam muitas crônicas populares na Europa. 

Walter Scott conta-nos assim o testemunho de um tal Pennant, raptado para uma viagem de observação que ocorreu em 1769: "Um pobre visionário que estava trabalhando em Breadalbane, foi levado pelo ar e passando por cima de um muro à um campo de trigo contínuo. Rodeavam-lhe uma multidão de homens e mulheres, entre os quais reconheceu várias pessoas mortas há muitos anos. Essas pessoas iam e vinham como abelhas sobre a plantação, roçando apenas a ponta do trigo, falando uma língua desconhecida com uma voz cavernosa. Foram lhe empurrando rudemente em todas as direções, porém quando murmurou o nome de Deus desapareceram todos, salvo uma mulher que bateu em seu ombro e o obrigou a aceitar um encontro para às sete da tarde daquele mesmo dia. O homem viu então que seus cabelos estavam atados com duplos nós (conhecidos como "anéis de elfos") e quase já tinha perdido o uso da palavra. Manteve sua promessa e ficou esperando a mulher que chegou voando. Ela pouco falou, pois tinha muita pressa e não poderia ficar com ele, e ordenou que partisse, afirmando que nada de ruim iria lhe acontecer." 



 ORFEU E EURÍDES NO PAIS DOS ELFOS 

Segundo ainda, crenças celtas, é para o País dos Elfos que vão, voluntariamente ou não, os mortos. Todo mundo conhece a célebre lenda de Orfeu e Eurídice. É sabido que o músico grego não vacilou em descer até o fundo dos Infernos para buscar a esposa morta. Entretanto, uma lenda celta conta que o lugar onde Eurídice estava prisioneira não era os Infernos, mas o País dos Elfos. Orfeu, rei da Trácia, ao norte da Grécia, encontrou um dia sua mulher Eurídice chorando nos jardins de seu palácio. Eurídice lhe contou que havia adormecido à sombra de uma árvore utilizada para enxertos (essas árvores eram conhecidas por demarcar as fronteiras entre o mundo dos humanos e o povo do Reino das Fadas), e havia sonhado que um rei dos elfos vinha buscá-la para conduzi-la, através de uma escura galeria, até seus domínios encantados. Depois a conduziu de volta até sua árvore e ordenou, sob pena de um terrível castigo, que no dia seguinte lhe esperaria naquele mesmo lugar. 

Eurídice não se atrevia a desobedecer o senhor élfico e estava bem decidida a esperar sua triste sorte junto à árvore. Para conjurar a sorte, Orfeu fez guardar a árvore por seus melhores soldados, porém no dia seguinte, ao meio-dia, Eurídice desapareceu no ar, levada pelo rei dos elfos. Louco de dor, o rei da Trácia abandonou seu trono e se tornou ermitão, não levando consigo mais do que uma lira. Se dizia que sua música era tão bela que as lebres deixavam de correr e os pássaros de cantar. As vezes, Orfeu assistia as cavalgadas das fadas e dos elfos que galopavam pelo campo, e ouvia o som de seus cornos de caça. Um dia viu passar em sua frente umas belas fadas caçadoras, montadas em cavalos brancos e levavam cada uma um falcão na mão. Orfeu as seguiu correndo. Observou como deslizavam até o interior de uma rocha e desapareceram num túnel escuro. Seguindo-as chegou até uma clareira verde onde deparou-se com um maravilhoso castelo de torres brancas. Orfeu entrou no tal castelo e descobriu uns mortais dormindo nas posições que estavam quando os elfos os raptaram. Havia guerreiros combatendo, crianças brincando, mulheres ocupadas fiando... Todos estavam imóveis, com o gesto detido na eternidade de um instante. 

Chegou finalmente ao pátio central do castelo, e nele estava o rei dos elfos perto de Eurídice, que dormia embaixo da árvore, exatamente na mesma posição que estava há dez anos no palácio de Orfeu. O rei-músico da Trácia se inclinou então, ante ao soberano dos elfos e se ofereceu para tocar-lhe uma música. Então Orfeu pegou sua lira e tocou uns acordes tão belos que o próprio rei dos elfos ficou maravilhado. E, quando o mortal parou de tocar, o príncipe élfico lhe rogou para continuar com a música, prometendo lhe conceder uma recompensa como pagamento de seus serviços. Orfeu se pôs a tocar de novo e logo, quando chegou o momento, reclamou o que lhe devia: a mulher adormecida à sombra da árvore. Então o rei dos elfos tentou retratar-se: -"Não pode ser, seria um casal muito desigual. Ela é jovem e bela, e tu és velho e desgastado. Seria indecoroso ficarem juntos". Porém Orfeu replicou; "Todavia seria mais indecoroso para vós não cumprir vossa promessa". Preso ao trato, o elfo libertou a Eurídice de seu encantamento. A jovem acordou e se jogou nos braços de Orfeu, que a levou consigo através do escuro túnel. E, enquanto alguns autores afirmam que a perdeu de novo naqueles labirintos escuros, outros afirmam que regressaram sem problemas até a luz do mundo dos humanos, voltando a seu reino e viveram felizes o resto de sua vida. 


 COMUNICANDO-SE 

Os elfos não são seres que possam ser subjugados para se obter algo, pois sua natureza é bem diversa dos outros elementais. Eles são muito independentes e jamais alimentarão desejos humanos torpes e egoístas. 

Para entrar em contato com os elfos, deve-se dirigir a lugares onde costumam habitar: bosques, dólmenes, templos abandonados, rios, lagos, lugares que não costumam ser visitados pelos seres humanos. 

Ao se chegar ao local, deve-se sentar-se no solo ou em uma pedra e chamá-los com amabilidade. Se for possível, deve-se recitar algum poema, realizar um rito ou cantar uma canção élfica. 

Pode-se também levar alguns presentes como doces, cervejas, etc. 
Não peça nada, apenas desfrute da mágica companhia dos elfos. Se conseguir despertar atenção, já será uma grande vitória.
Leia Mais

24/03/2013

A verdadeira história de Alice no País das Maravilhas




Aviso: esta não é uma história que você vá encontrar pesquisando no Google ou em livros.

A história de Alice é, na realidade, triste. Lembrem-se que os grandes contos de fadas são de outra época, a realidade era diferente e os valores extremamente conservadores. Então, ter uma filha esquizofrênica era considerado uma aberração, um crime. Os pais de Alice decidiram deixa-la em um sanatório, e ela permanecia, na maior parte do tempo, dopada. Quando não estava sob efeito de remédios, era violentada pelos funcionários. A menina tinha apenas 11 anos.

Cada um dos personagens e objetos da história, tem a ver com um desejo ou experiência de Alice.

O buraco pelo qual ela entra no País das Maravilhas, é, na verdade, uma janela de seu quarto, onde ficou presa durante toda a vida, pela qual ela desejava sair e conhecer o mundo à sua volta.

O coelho branco, para ela, representava o tempo. Aquele tempo que ela desejava que passasse logo, para que um dia ela pudesse sair daquele lugar. O tempo que ela via passar tão rápido, porém tão lento...

O Chapeleiro Maluco, era outro interno, seu melhor amigo. Alguém que deixava sua vida no hospital menos amargurada, com quem criava várias teorias de como seria a vida lá fora. O rapaz, em realidade, sofria de Síndrome Bipolar, por isso a personalidade do Chapeleiro na história, o mostrava ora alegre, ora depressivo, ora calmo, ora irritado.

A Lebre, companheira do Chapeleiro, era a menina que dividia o quarto com ele. Ela sofria de depressão profunda, e todas as vezes que Alice teve contato com ela, encontrou-a num estado de terror e paranoia.

O gato de Cheshire: um dos enfermeiros, em quem Alice confiou, mas acabou por enganá-la e violenta-la. O sorriso do gato, aquele que é tão marcado, era na verdade o sorriso obscuro que seu agressor abria, cada vez que lhe abusava, e a deixava jogada em um canto de sua acomodação, derrotada, triste e ofuscada.

A Rainha de Copas: a diretora do sanatório. Uma mulher má e desprezível, que não sentia sequer um pingo de compaixão para com os enfermos que estavam sob seus cuidados. Era a favor da terapia de choque e da lobotomia, e por diversas vezes ordenava que os funcionários espancassem, sedassem e prendessem em jaulas os enfermos que apresentavam comportamento que não lhe agradavam.

A Rainha Branca: sua mãe, uma mulher nobre e terna, que sofreu na pele o preconceito de ter uma filha doente, tendo que abandonar a menina em um sanatório, e nunca mais voltar a vê-la. As vagas lembranças que Alice possuía, era de momentos com sua mãe, e o motivo dela pensar que o mundo fora dos muros do hospital era um lugar melhor, era saber que a mãe estava lá, em algum lugar, para lhe cuidar.

Os Naipes: enfermeiros do hospital, apenas seguindo ordens o dia inteiro.

A Lagarta Azul: sua terapeuta, aquela que lhe dava as respostas, que lhe explicava o que acontecia e com quem ela conversava.

Tweedledum e Tweedledee: gêmeos siameses órfãos, que também estavam no hospital. Embora não possuíssem nenhum problema mental que justificasse sua internação, a aparência que tinham era assustadora, por isso foram reclusos.

O Rei de Copas: o médico psiquiatra do hospital. Alguém com complexo de inferioridade, que era incapaz de se opor às ordens da diretora.

Os frascos “Coma-me” e “Beba-me”: as drogas que lhe davam. Por serem extremamente fortes, por várias vezes Alice tinha sensações diferentes e alucinações, bem como se tivesse encolhido ou aumentado de tamanho.

Tudo isso foi criado pela menina como se fosse um mundo paralelo. Uma realidade menos dolorosa daquela em que vivia. Ela já não podia suportar aquele local e tudo o que acontecia com ela ali dentro, então resolveu usar de sua imaginação infantil para amenizar a dor e o sofrimento. A irmã mais velha de Alice, é na verdade uma enfermeira do hospital, a quem a pequena era muito apegada. A enfermeira tinha um diário e nele anotava todas as histórias que Alice criava em sua mente. Todos os dias a enfermeira ia até o quarto da menina e ouvia seus desabafos e as aventuras que criava em sua mente. Sem deixar de anotar uma palavra sequer.

Infelizmente, Alice  executa uma tentativa de fuga. Ela não obtém sucesso, e acaba detida pelos funcionários. A diretora furiosa, manda que espanquem a garota e apliquem a terapia de eletrochoque, para que nunca mais volte a se repetir. Após o castigo, Alice torna-se agressiva e violenta, ao ponto da diretora decidir que a única saída para ela, seria a lobotomia.

Alice viveu por muito tempo em um estado de “coma”. Ela nunca mais viveu, sorriu, tampouco falou. Devido a isso, teve seu corpo devastadoramente abusado, tanto, que acabou por ter hemorragia interna devido à violência empregada em um ato de estupro, e veio a falecer.

A enfermeira que escrevia suas histórias em um diário acabou por se afastar do sanatório, e Alice foi imortalizada como a menina sonhadora que viveu aventuras incríveis no País das Maravilhas.

Post by: Loucifre
Siga no twitter: @loucifre
Leia Mais

22/03/2013

Aquiles



 Guerreiro mitológico e um semi-deus, o maior dos heróis gregos. Sétimo filho de Peleu, rei dos Mirmidões da Riótida, na Tessália, com Tétis, a mais bela das nereidas, ninfa marinha e neta da Terra e do Mar, neto de Éaco e descendente de Zeus, que desejoso de dar um povo a Éaco, transformou uma colônia de formigas em grego myrmex, daí o nome mirmidões, em homens. 

Uma das versões correntes conta que inconformada com a mortalidade dos filhos que gerava, Tétis mergulhou seu filho nas águas do rio Estige, o rio infernal, segurando-a pelo calcanhar, para torná-lo invulnerável. Assim este ponto ficou vulnerável visto que não havia sido mergulhado nas águas imortalizantes do rio, dando origem a proverbial expressão calcanhar de Aquiles como referência a um ponto fraco. Ainda mais, sua mãe o teria criado como menina na corte de Licomedes, na ilha de Ciros, para mantê-lo a salvo de uma profecia de Calcante, que o condenava a morrer jovem no campo de batalha. 

Calcante, célebre adivinho, predisse que a presença do grego seria indispensável para vitória dos seus compatriotas em Tróia, porém lá morreria. Criado com o nome de Pirra, que significava ruiva, vivia entre as filhas do rei, porém o herói se fez revelar a Deidâmia, uma dessas moças e com ela gerou NeoptólemoUlisses, sabedor da profecia de que só com sua ajuda venceria a guerra de Tróia, recorreu a um ardil para identificá-lo entre as moças. Ao simular uma invasão, as filhas do rei correram amedrontadas enquanto somente ele reagia aprontando-se para enfrentar os assaltantes, revelando então sua verdadeira origem e identidade. Apesar das advertências da desesperada mãe, de que se partisse, teria uma vida cheia de glórias, porém curta, optou resoluto para marchar com os gregos e partiu para a guerra.

 No décimo ano de luta, a jovem Criseidea, filha de Crises, sacerdote de Apolo, foi tomada por Agamenon, chefe supremo dos gregos. Por se negar a devolver Criseidea para seu pai, o acampamento de Agamenon foi assolado por uma peste enviada por Apolo. Assustado o comandante supremo decidiu devolver a moça, mas em compensação exigiu Briseis, escrava favorita de Aquiles, que, ofendido, retirou-se da guerra, inclusive doando sua armadura ao seu amigo Pátroclo. Os gregos começaram a fracassar em suas investidas e perderam Pátroclo, morto por Heitor, filho do rei de Tróia, Príamo

Dominado pelo sentimento da vingança, reconciliou-se com Agamenon e voltou à guerra, matou Heitor e arrastou seu cadáver em torno da sepultura de Pátroclo. Em seguida, amarrou seu corpo a seus cavalos e o arrastou ao redor das muralhas da cidade. Mas ele sempre soube que estava destinado a morrer em Tróia, longe de sua terra natal, e acabou sendo morto pouco depois, por Páris, irmão de Heitor, que lhe acertou o calcanhar, único ponto vulnerável de seu corpo, com uma flecha envenenada; dirigida por Apolo

As proezas desse herói e muitos temas correlatos foram desenvolvidos na Ilíada, de Homero, que relata a guerra de Tróia. O seu cadáver, segundo a versão mais comum, foi enterrado no Helesponto junto ao de Pátroclo.
Leia Mais

19/03/2013

Possivel foto de um Demônio

A imagem “http://images.orkut.com/orkut/photos/OQAAANqvWsHHd1ENurzCyqzpj4_SK6wPF0QRbJQz9dubVTt934N2Qsp2QvH7qBn3-ECXetQM5Yn95BzluTy48lv9v28Am1T1UODqA3UwXPsaq7LHPdlm1-VqKxlZ.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

No dia 27 Setembro de 1998, é encontrado um cadáver, muito bem conservado. A primeira vista uma menina vítima de um estupro, recente, com aproximadamente 12 anos de idade. Após uma primeira análise feita pela polícia técnica da cidade, constatou-se que alguns dos objetos pessoais da menina tinham mais de 30 anos. Isto chamou a atenção de uma Universidade Inglesa, que com uma parceria com a polícia local, foi feita uma exumação do corpo.

Feita a análise de DNA, seguida de minuciosos exames, foi constatado que o corpo havia sido conservado, inexplicavelmente, por mais de 30 anos. Foram averiguados todos os crimes ocorridos nesta época mas nenhum bateu com a fisiologia da menina em questão. Porém descobriu-se que ocorreu neste período um desaparecimento de uma menina de dentro de um colégio de freiras, próximo ao local onde o corpo havia sido encontrado.

Foi então feita uma pesquisa nos arquivos da escola para tentar explicar o estranho acontecimento. A menina chamava-se Marian Melisa Taylor e seus arquivos indicavam a data de seu nascimento no dia 6 de junho 1950. Seu desaparecimento no dia 24 de junho de 1962 . No meio dos arquivos da menina em questão, foi encontrada uma foto com a data no seu verso. Porem esta foto estava em péssimo estado, e foi necessário um espectrografia digitalizada a fim de recuperar a foto.

 Para espanto dos que estavam fazendo um trabalho de recuperação nesta foto, a menina apareceu despida, com um vulto inexplicável atrás, como se tivesse puxando-a para dentro de uma sala e ela tentando fugir. Porem na foto original, percebia-se claramente a presença da vestimenta tradicional para uma estudante em um colégio de freiras para a época. Um vestido longo, azul marinho, com a cruz de Cristo no peito. E nenhum sinal de vulto algum.

Descobriu-se também que na noite do dia em que a foto foi tirada, a menina desapareceu. Após a foto ter tomado seu formato atual, foram extraviadas inexplicavelmente as outras fotos da menina de dentro dos computadores da universidade e da policia, inclusive a foto original que foi scaneada para que pudessem ser feitos os estudos.
Professores e Mestres de computação gráfica que trabalhavam no caso, não souberam explicar como a foto original transformou-se tão drasticamente. Tentou-se em vão retroceder o processo e chegar a foto original

Curiosidades

Na foto original afirmam que a postura da menina era normal de quem esta posando para uma foto, com os pés juntos e o vestido longo deixando apenas as sapatilhas de fora.
Algumas pessoas não vêem a imagem da menina, mas vêem a imagem do demônio atrás dela
Outras dizem ver a imagem se movimentando, como se tentasse fugir do satanás. (Essas pessoas após verem a foto tiveram algum parente próximo, geralmente uma filha ou irmã, vítima de violência sexual seguida de homicídio ou simples desaparecimento).


  Vejam estes dados matemáticos do caso:


A menina foi encontrada 36 anos depois (3+6) = 9
O ano que ela desapareceu foi (1962) = (1+9+6+2) = (1+8) = 9
Numero da Besta (6+6+6) = (1+8) = 9
Agora vamos pegar um número de cada, obteremos o 999
A data cujo ela foi encontrada 27/09/1998 (2+7/9/1+9+9+8) = 9/9/9
Sua foto apareceu misteriosamente com a photopolaridade magnética invertida, ao fazer uma rotação de 180° com os números duplamente encontrados acima “999″ encontraremos o número 666, o numero da Besta
O ano que a menina foi encontrada, 1998 que é igual a 3 vezes o numero da Besta 666
A data de nascimento da menina 6 de junho 1950 (6/6/1+9+5+0) … (6/6/6) … 666
A data que a menina desapareceu foi 24/06/1962 (2+4/6/1+9+6+2) … (6/6/6) … 666
O numero de letras do nome dela Marian(6) Melisa(6) Taylor(6) … Reparem o número novamente!
O dia em que a menina desapareceu 24 subtraído da data de seu nascimento 6 = 18
3 x 6 = 18 ou escrevendo 3 x 6 de outro modo 6+6+6.
Não seria tudo isso muita coincidência?



Esta matéria foi tirada de um site de Satanismo hospedado na Inglaterra, que hoje não existe mais. Dizem que a mulher que o fez, sumiu de circulação da Internet e desde então nunca mais se ouviu falar dela. Alguns afirmam que ela ficou louca e suicidou-se, outros que a menina veio busca-la. Algumas pessoas ligadas fortemente ao espiritismo, não tem duvidas em afirmar que a mulher era a própria menina, vinda em forma de um espírito que utilizou o meio de comunicação mais difundido nos dias de hoje, pois teria feito um pacto com o Satanás para que ninguém mais duvidasse dos poderes de Lúcifer (Nome do Diabo) em troca de que ela pudesse descansar em paz, por isso ela mesma haveria indicado o local do seu cadáver para que pudessem encontrá-la. 

PS: ta mais do que na cara que isso é fake, mas a historia até que é legal!!!
Leia Mais

17/03/2013

Bolos Horripilantes









E aí vai encarar??
Leia Mais

14/03/2013

A Carona


Essa é a história de um amigo caminhoneiro que mora em Goiânia. Ele sempre esta na estrada ganhando o pão da família e uma vez ou outra me conta histórias de arrepiar que acontecia em suas viagens, vou compartilhar com vocês algumas dessas histórias que ele me contou pessoalmente.

Eis que uma vez, estava Ronaldo fazendo o trecho São Paulo-Goiânia. Parou em um posto de gasolina pra abastecer e comer algo. Sentou-se no balcão da lanchonete e fez seu pedido. Enquanto estava comendo, uma mulher bonita e até bem vestida sentou-se do seu lado e puxou conversa com. Conversa vai e vem deu a hora de ir embora ele se despediu e saiu da lanchonete. Quando ligou o caminhão ali estava a mulher. Ele abaixou o vidro para ver o que queria e ela pediu uma carona, disse que morava na cidade vizinha e não queria andar até lá, que apesar de perto, já eram duas da manhã. Sem hesitar ele aceitou.

A cidade era realmente perto, dez minutos depois de sair do posto chegaram ao trevo. Apontando uma esquina ali no trevo, pediu pra parar e desceu do caminhão. Ronaldo se assustou quando viu que ali era o muro de um cemitério.

“Como você tem coragem de ficar aqui? Vamos embora eu te levo em casa, não importa que seja longe.” – disse ele com medo de deixar ela ali.

“Eu já estou em casa” – disse a mulher andando em direção ao muro do cemitério e desapareceu.

Contando essa história e conversando com outros caminhoneiros, descobriu que o fantasma era de uma prostituta que residia na cidade onde ele a deixou. Ela teria sido estuprada e morta por um caminhoneiro que a pegou naquele posto. Dizem que seu fantasma fica assombrando caminhoneiros como forma de vingança. Hoje, Ronaldo sempre desvia do trecho onde encontrou a mulher com medo de vê-la novamente.
Leia Mais

12/03/2013

O Lado Negro: Mickey e o Espelho Mágico



001
O ano era 1998. Eu estava revirando o sótão num sábado de manhã, enquanto meus pais iam fazer as compras do mês, quando me deparei com uma caixa de "fitas antigas". Curiosamente, eu abri a caixa para encontrar um monte de velhas fitas de VHS gravadas com diferentes programas e filmes. Porem, somente a fita do da pilha chamou minha atenção por causa do rosto familiar: Ela se chamava "Mickey e o Espelho Mágico". Na capa estava Mickey Mouse com Donald, Pateta e Bafo. Havia algo de diferente sobre suas expressões faciais da capa. Donald tinha um olhar muito deprimido e estava sentado no chão segurando as próprias pernas, Pateta estava no topo do barco de Pete e tinha um olhar muito irritado, com o punho no ar e um de seus sapatos faltando, e Pete estava pendurado do lado de fora do barco com suas duas mãos nos trilhos tentando se levantar, e seu rosto estava com um olhar muito deprimido.
03Mas apesar de tudo isso, Mickey foi quem realmente chamou minha atenção. Ele estava sentado sobre uma pilha de feno com um sorriso maligno no rosto. Um pé estava do lado de fora na parte de trás do feno, e Mickey estava segurando um grande garfo com algo pingando dele (Lembre-se que eu era mais jovem quando isso aconteceu e que tudo era em preto e branco, tanto a capa quanto o filme, então não fazia idéia do que poderia ser). Eu realmente queria assisti-lo, então fechei a caixa, corri para o porão, coloquei a fita no videocassete e esperei ela começar.
Por cerca de dois minutos o episódio fica com uma tela preta com sons de ondas ressurgindo, então uma imagem de Mickey aparece na tela, e eu nunca havia visto aquela imagem antes: ele estava de braços cruzados no meio de uma caveira e ossos cruzados com um sorriso no rosto. Em seguida, ela desapareceu e a tela de título finalmente surgira. Começou como um bom dia, com o barco do Bafo sendo puxado por ele para o porto, e Bafo estava muito nervoso. Pateta vem correndo do celeiro e começa a gritar com Bafo sem nenhuma razão, e Bafo simplesmente empurra-o para fora do caminho, fazendo com que o Pateta caísse na água. O vídeo distorce por uns 2 segundos e mostra Pateta saindo correndo do celeiro novamente. Só que desta vez, quando ele corre para o Bafo, ele o agarra e chicoteia-o para a parede do celeiro, fazendo com que uma pilha de feno caísse do telhado, prendendo Bafo. Pateta caminha até ele e a câmera dá um close-up no rosto de Pateta, que demonstra uma expressão perturbadora de ódio (Eu nunca havia visto ele daquele jeito antes). Quando ele chega até o monte de feno, a tela fica preta por alguns segundos.
Em seguida, aparece um texto dizendo "10 minutos atrás" e a tela muda para o Mickey em uma colina com o Pateta e Donald olhando para um espelho. Todos os três estão com uma expressão de medo em seus rostos. Mickey chega perto do espelho, e um raio atinge o vidro estilhaçando-o em direção a todos os três. Mickey e Pateta ficam bem, mas Donald começa a cambalear para trás até cair da colina. O vídeo distorce novamente e você ouve uma risada. A tela mostra o espelho quebrado novamente, e você vê os cacos de vidro que se quebraram do espelho brilharem fortemente em um preto muito escuro, e em seguida, voltarem ao normal.

002
Mickey olha em volta e vê o Pateta descendo a montanha correndo. Em seguida Mickey olha de volta para o espelho, mas quando o faz, uma mão muito grande o agarra e puxa-o para dentro, e alguns segundos depois, sai de lá uma versão mais macabra e destruída do Mickey. Sua roupa é mais rasgada e ele é quase uma fera, com olhos esbugalhados e dentes afiados. A tela muda para mostrar Pateta, que ainda está correndo morro abaixo, e acaba tropeçando em uma pedra caindo em direção a cidade. Agora você o vê todo cortado e sangrando. Em seguida ele é arrastado por alguém, mas você não consegue ver quem é. A cena muda para mostrar o interior do celeiro, onde se encontram o Mickey Macabro e o espelho. Quando ele pula em frente ao espelho, uma luz brilhante revela uma figura encapuzada: Era uma versão mais macabra de Donald, e logo em seguida, a versão macabra do Pateta sai do espelho. Todos os três começam a caminhar em círculo e a tela começa a ficar em estático aos poucos, e pouco depois, tudo que você pode ouvir são sussurros baixos e passos por cerca de cinco minutos.
Em seguida, a tela mostra as palavras "15 minutos depois", e mostra o Pateta coberto por um liquido escuro pingando, espalhado por todo o lugar. Mickey e Donald queimam o barco com uma tocha, e todos os três caminham até o meio da área. Todos olham intensamente para a tela como se estivessem me observando e começam a caminhar em direção à mim. Enquanto caminhavam, seus olhos ficavam cada vez maiores e mais penetrantes, até que sem explicações as garras e o bico de Donald caem, mostrando apenas seus dentes e muita espuma. O zumbido volta, mas desta vez era muito mais alto, e você podia ver a cidade queimando no fundo da tela. Um túmulo também estava atrás deles, e havia um nome cravado nele: "JOÃO BAFO-DE-ONÇA". A tela tremeu um pouco até que de repente o tumulo explode em chamas, e uma mão negra sai de dentro.
Eu pulei de minha cadeira e empurrei a TV pra fora do armário, fazendo com que ela quebrasse e parasse o vídeo pouco antes dos personagens chegarem à tela, mas o zumbido estava tocando em minha mente pelo resto daquele dia. Peguei a fita e todas as outras na caixa e queimei tudo que para que não fosse obrigado a terminar assistir aquela ou as demais fitas. A ultima coisa que lembro ter visto antes de queimar as fitas era a capa do vídeo de Mickey Mouse. Ela estava diferente desta vez: Mostrava uma foto dos personagens macabros caminhando em minha direção.
Nunca mais conseguirei esquecer seus sorrisos e expressões macabras olhando fixamente para mim… Aquela visão invade meus sonhos até hoje, e meus pais e amigos nunca acreditaram sempre que falava sobre minha experiência pra eles. Infelizmente, não há mais jeito de provar o contrario, mas de certa forma, estou feliz que aquela coisa esteja destruída agora.
0000

Leia Mais

© Dállia Negra - 2016 | Template feito por: Adorável Design | Imagens de ícones e imagem do cabeçalho por: Jaque Design