11/02/2017

Abissofobia


Para entender melhor o que é abissofobia, é necessário, primeiramente, que fique claro o conceito de fobia. A palavra fobia origina-se do grego e significa medo. Em casos clínicos, refere-se à aversão exagerada a certo tipo de situação, objeto, animal ou pessoa. Sob o ponto de vista clínico, no âmbito da psicopatologia, as fobias são parte das doenças de ansiedade e possuem como característica principal o fato de só serem manifestadas em situações particulares.

Por exemplo, ficar na beira de precipícios, abismos ou despenhadeiros pode ocasionar desespero e medo em qualquer pessoa. Porém, a abissofobia é caracterizada quando este medo foge ao controle do indivíduo, causando sintomas como em qualquer outro transtorno fóbico. As pessoas com este distúrbio podem demonstrar sintomas de confusão mental, tremores excessivos, palpitação, mal estar, sudorese excessiva, falta de ar, entre outros.

Assim como em qualquer fobia, o medo excessivo e mórbido tem origem no inconsciente da pessoa, funcionando com uma respostas a alguma trauma pelo qual tenha passado relacionado à queda ou qualquer situação de morte em abismos, despenhadeiros ou precipícios. Ao sentir a proximidade de algum destes locais, a pessoa com abissofobia manifesta um resposta direta ao medo, chegando a ficar o todo tempo em alerta quando o caso tem maior gravidade.

Considerado um transtorno fóbico raro, a abissofobia precisa ser diagnosticada com precisão, pois a maioria das pessoas demonstra medo de abismos, entre outros locais perigosos. Apenas os que apresentam os sintomas que remetem à fobia devem receber tratamento especial e acompanhamento individual. Depois de detectado, o problema deve ser tratado com rapidez, pois a abissofobia pode ter um efeito devastador sobre o sujeito, comprometendo sua qualidade de vida e a dos que convivem com ele.

Existem diversos tratamentos para a abissofobia. Um deles é a Psicologia da Energia, que é uma espécie de acupuntura emocional baseada em uma prática milenar. Outro recomendado é a Programação Neurolinguística, que estuda como o paciente cria uma realidade na qual está a todo o momento sentindo o perigo de cair em um precipício ou abismo. Já na Terapia Cognitiva, as mudanças comportamentais são incentivadas através de exercícios práticos. A ajuda de um psicólogo também é fundamental, pois este profissional ajudará o paciente a vencer e controlar o medo.

Fontes:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs0707200211.htm

http://www.infoescola.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Dállia Negra - 2016 | Template feito por: Adorável Design | Imagens de ícones e imagem do cabeçalho por: Jaque Design