30/07/2017

Ishtar - Deusa Babilônica da Lua


A Deusa da Lua cujo culto foi mais disseminado na Antiguidade foi Isthar da Babilônia. Ishtar é a deusa dos acádios (pessoas que residiam na região da baixa Mesopotâmia), herança dos seus antecessores sumérios (civilização muitas vezes considerada como a mais antiga já conhecida, tendo seu início a 4 milênios a.C), cognata da deusa Isis dos egipcios, Inanna dos sumérios e da Astarte dos Gregos, ainda Easter na mitologia nórdica, além de outros nomes.

Ela é a antiga divindade que representava a fertilidade, suas histórias são derivadas das histórias de Inanna da Suméria, mas seu culto floresceu na Babilônia dos Assírios, quando Ishtar era a principal divindade, e se expandiu por quase toda a Ásia. Ishtar era importante como uma Deusa mãe, Deusa da terra, Deusa do amor e da guerra. Nas antigas religiões do oriente médio, e posteriormente na Grécia, Roma, e no oeste da Ásia, Ishtar é a deusa mãe, o grande símbolo da fertilidade da terra. Ela é adorada sob vários nomes como vimos anteriormente.

Isthar é a personificação da força da natureza que tanto dá quanto tira a vida. É a Deusa da fertilidade que doa o poder de reprodução e crescimento aos campos e para todos os animais, inclusive para nós seres humanos. Tornou-se Deusa do amor sexual (por ser uma Deusa da fertilidade), protetora das prostitutas e do parto. Ela é a própria lua, rainha das estrelas e do céu. Como a figura de Mãe terrível, deusa das tempestades e da guerra, era também a provedora de sonhos e presságios, da revelação e compreensão das coisas que estão escondidas, além de Deusa da magia.

Isthar governa os ciclos da lua, meses do ano e ainda a fertilidade da terra, sendo assim tudo o que nasce é considerado como sua cria. Seu filho Tamuz era considerado a vegetação de toda a terra. O mito diz que ao crescer e obter virilidade ele se torna seu amante, entretanto, ano após ano, ela o condena à morte. Na época do Solstício de Verão, ele morre e vai para o submundo. Para logo depois simbolicamente ressurgir para mais um ciclo de morte e renascimento, salvo pela descida dela ao submundo restaurarando a vida de Tammuz. O mito da descida ao submundo representa a época do ano quando os suprimentos de comida estão em seu ponto mais crítico, no final do inverno. A sua morte representa o término da comida que havia sido guardada, e a sua ressurreição representa a nova colheita.

A fertilidade dos campos, e o mistério que envolve as colheitas anuais, se reflete no ritual, onde a fertilidade feminina é adorada. A fertilidade é um mistério, e então as mulheres passam a representar o papel de portadoras deste mistério. Uma das conseqüências destas adoração da fertilidade como mistério é a adoção de rituais ligados ao sexo. Heródoto descreve, sobre as práticas da prostituição sagrada na antiga Babilônia, a fertilidade é um mistério e ao mesmo tempo uma obrigação "O costume babilônico mais sujo é o que compele toda mulher da terra, ao menos uma vez na sua vida, se sentar no templo de Mylitta e ter relações com algum estranho." (Mylitta era o nome Assírio para Afrodite). Mas a intenção desses ritos não era "suja" e sim religiosa, não só escravas eram compelidas a deitar-se com homens desconhecidos mas também as filhas dos mais nobres, e quando recebiam dinheiro este era considerado sagrado e nehuma mulher o recusava, não era um suborno e sim uma troca sagrada em nome da Deusa.

As mulheres eram o intermédio entre a divindade e a humanidade, e era costume que moças servissem de prostitutas sagradas por longos periodos e depois fossem dadas ao casamento e ao contrário do que se pensa ninguém as desdenhava.

Por dois dias, ao final do mês de maio, os romanos celebravam a Festa da Rainha do Submundo, uma celebração em honra as deusas do submundo Hécate, Cibele e Ishtar. Durante as noites de lua cheia, alegres celebrações aconteciam em seus templos. Nestes ritos as mulheres eram sacerdotisas e em seus templos recebiam amantes para expressar a sexualidade como um dom sagrado de Ishtar. Estes ritos permitiam aos humanos que comungassem com a deusa.

Apesar de Isthar ser conhecida no Oriente Médio como a deusa do amor, ela era conhecida também por sua ferocidade nas batalhas e na proteção de seus seguidores. Quando neste aspecto, Isthar conduzia uma carruagem puxada por sete leões, ou sentava-se num trono ornado com leões, portando um cetro de serpente duplo e ladeada por dragões.


RITUAL DE BANIMENTO E LIBERTAÇÃO

Este ritual deve ser realizado durante a Lua Nova ou Minguante. Pode ser efetuado para uma pessoa ou problema específico que esteja lhe atrapalhando.

Serão necessários um incenso de banimento, um pequeno pedaço de papel, lápis, óleo de patchuli ou cânfora, uma adaga, faca ou espada, um vasilha com pequenas quantidades de louro e olíbano em pó e um caldeirão metálico ou outro recipiente que aguente o fogo.

Acenda o incenso. Escreva o nome do problema ou da pessoa no papel e deposite-o no altar, erga a espada ou adaga à sua frente, apoiando a ponta no caldeirão e diga:


"Ouça-me, ó poderosa Isthar.
Este é um período de libertação, de livrar-se de algo.
Eu corto todos os laços com (nome da pessoa ou problema).
Envie seus grandes poderes para que isso (ele/ela) saia da minha vida."


Permaneça segurando a espada à sua frente enquanto mentalmente visualiza a pessoa ou o problema afastando-se rapidamente da ponta da espada. Veja-o despencando dentro do caldeirão até desaparecer. Tente vê-lo desaparecer por completo. Não especifique o modo como deseja que isso ocorra, deseje apenas que o problema não mais lhe cause transtornos.
Apanhe o papel e espete-o na ponta da lâmina, dizendo:


"Todos os laços estão cortados.
Nada mais nos une.
Você está sendo carregado pelos ventos da Senhora das Batalhas."

Remova o papel da lâmina. Ponha uma gota de óleo de patchuli ou cânfora nos quatro cantos e no centro. Queime dentro do caldeirão e diga:


"Rainha dos Céus, Deusa da Lua,
Lance seus poderosos raios sobre meus inimigos.
Que eles se curvem em derrota.
Defenda-me, Senhora das Batalhas e da Vitória!"

Polvilhe um pouco de ervas picadas sobre o papel enquanto este queima; se este já estiver consumido, faça um pequeno montinho de ervas e acenda-o. Diga:

"A renovação vem do caldeirão do Submundo.
Assim como Isthar ascendeu vitoriosa de sua jornada,
Eu me renovo através de seu amor e sabedoria."

Livre-se do papel e das ervas queimados usando a descarga de seu banheiro, uma simbologia adequada para livrar-se de problemas.

http://fadabruxa.blogspot.com.br
Leia Mais

20/07/2017

Papus


No contexto da literatura ocultista, Papus, que significa médico da primeira hora, é o nome de uma entidade relacionada à medicina no Nuctemeron. Porém, Papus, é mais conhecido como o pseudônimo de Gérard Anaclet Vincent Encausse, um célebre médico magista espanhol.
Filho do francês Louis Encausse e da espanhola Irene Perez, Gérard nasceu em 13 de julho de 1865, na Corunha, Espanha. Aos quatro anos de idade, sua família mudou-se para Paris, onde o jovem Gérard receberia sua educação acadêmica formal e iniciaria seus estudos de medicina e, paralelamente, tomaria interesse pela literatura ocultista.
Aos dezessete anos ingressou na Faculdade de Medicina de Paris. Nas horas vagas, fazia visitas freqüentes à biblioteca Nacional. Foi neste período que se deparou com os principais escritos de cunho ocultista. Esse contato inicial foi muito importante para despertar o desejo de progredir na carreira médica e, posteriormente, integrar os conceitos alquímicos, astrológicos e filosóficos à atividade profissional. Além da antiga sabedoria dos egípcios, romanos e gregos.
Os anos seguintes foram determinantes para estabelecer Gérard com uma reputação respeitosa entre as sociedades iniciáticas de Paris. Foi neste momento que conheceu o esotérico Alexandre Saint-Yves d’Alveydre, do qual recebeu sua iniciação hermética. Henri Delaage foi o responsável pela iniciação do jovem Gérard na Sociedade dos Filósofos Desconhecidos. Paralelamente, surgiram suas primeiras anotações e passou a integrar e liderar ativamente grupos de estudo e prática alquímica, cabala e outras áreas de estudos.
Em 1887, com apenas 22 anos, escreveu sua primeira obra, intitulada O Ocultismo Contemporâneo. Sua obra, Tratado Elementar da Ciência Oculta, foi recebida no ano seguinte com prestígio na sociedade parisiense e logo conquistou reconhecimento internacional. Em seguida, fundou o Grupo Independente de Estudos Esotéricos, que mais tarde se transformaria em Escola Hermética. No mesmo momento, fundou as revistas A Iniciação e Véu de Ísis; além da Ordem dos Superiores Desconhecidos. Porém, não abandonou a prática profissional de medicina. Pelo contrário, sua tese intitulada A Anatomia Filosófica e suas divisões lhe outorgou o título de Doutor em Medicina, em 1894.
No mesmo período, filiou-se à Sociedade Teosófica e posteriormente ao Templo da Golden Dawn. Foi também consagrado "bispo" da Igreja Gnóstica da França, que tinha por objetivo resgatar a religião dos Cátaros. Em 1897 fundou, juntamente com d’Alveydre, Jollivet Castelot, Sédir, Barlet e Stanislas de Guaita, uma ordem com o intuito de estudar e promover a alquimia.
A ânsia de desenvolver métodos de cura para qualquer enfermidade humana levou Gérard a percorrer vários países europeus nos anos seguintes e confrontar-se com diversas culturas. Entrou em contato com hipnose, homeopatia, técnicas populares, curandeiros e outras fontes, fora do âmbito puramente científico, que enriqueceram seus conhecimentos.
Mesmo os métodos de diagnóstico eram bastante incomuns aos médicos daquele tempo. Gérard observava por clarividência o "astral" do enfermo para avaliar a origem, o tipo e a causa da moléstia. A cura era promovida através do sangue, da urina e de fios de cabelo do paciente. Ainda, segundo suas práticas, as enfermidades eram dividas em três grupos: do Corpo Físico, do Astral e do Espírito; tendo cada uma das áreas, um conjunto de métodos específicos para se obter a cura.
A eficiência de suas práticas elevou sua reputação. Gérard, que a esta altura já era conhecido como Papus, ganhava notoriedade nos meios científicos e, paralelamente, ocultistas e herméticos. Chegou a ir à Rússia, atendendo ao convite do imperador, por três oportunidades.
A trajetória de Papus teve fim no dia 25 de outubro de 1916, acometido pela tuberculose que contraiu enquanto atuava como médico militar na Primeira Guerra. O ambiente familiar, bem como sua formação social, certamente receberam grande influência do intelecto lógico de seu pai, químico por profissão, e da espiritualidade mística de sua mãe, cigana de origem. Desta forma, torna-se mais fácil compreender o desenvolvimento da trajetória profissional de Papus e das influências e combinações místicas que o notabilizaram na sociedade moderna.
Sua contribuição para a medicina alternativa, e mesmo pela convencional, é inegável. Seu legado, composto por aproximadamente 160 trabalhos publicados, é, até os dias de hoje, referência de estudo para profissionais científicos e estudiosos ocultistas. 
http://www.spectrumgothic.com.br
Leia Mais

05/07/2017

Pacto para riqueza de São Cipriano


Hoje trago a oração de São Cipriano para ganhar dinheiro. Existe muita confusão tanto no meio religioso como na internet e mesmo entre os estudiosos de uma forma geral sobre a figura do conhecido santo. Tal confusão, o coloca entre uma figura mística e outra que levanta a bandeira do cristianismo, merece ser estudada com mais afinco a quem interessar. Para nós no atual momento cabe ressaltar os inúmeros relatos da força e dos benefícios obtidos através desta prece.

SALVE SÃO CIPRIANO, fazei que muito dinheiro, riqueza e fortuna, fiquem para sempre comigo (LR). São Cipriano trazei muito dinheiro, riqueza e fortuna para mim (LR). Assim como o galo canta, o burro rincha, o sino toca, a cabra berra, assim Tu, São Cipriano hás de trazer muito dinheiro, riqueza e fortuna para mim pagar minhas dividas(LR). Assim como o sol aparece, a chuva cai, faça São Cipriano que o dinheiro, a riqueza e a fortuna serem dominados por mim para mim pagar minhas dividas(LR) Assim Seja! Preso debaixo do meu pé esquerdo, com dois olhos eu vejo o dinheiro, a riqueza e a fortuna, com três eu prendo o dinheiro, a riqueza e a fortuna para que venham até mim pagar minhas dividas (LR) e que não consigam ficar com quem não merece e que não fiquem com outra pessoa que não seja eu(LR); que atenda todas as minhas vontades, comprando o que eu quiser, gastando como eu queira e que nunca me faça sofrer por ficar sem dinheiro. Que quando eu durma, acorde sempre com o dinheiro!
, a riqueza e fortuna estejam dentro da minha casa, da minha,bolsa, do meu bolso, da minha carteira, da minha conta bancária, da minha empresa ou onde eu (LR) estiver. Que o dinheiro, a riqueza e a fortuna não consigam estar lonGe de mim (LR) e que seus valores sejam sempre altos,muito altos, voltados só para mim (LR). Que o dinheiro, a riqueza e a fortuna sejam muito valiosos para mim (LR) Que assim seja! Pelo poder de São Cipriano, que assim seja! Que muito dinheiro, riqueza e fortuna venham atrás de mim, para que possamos ter conforto, saúde, ajudar os mais necessitados, ter um bom convívio e assim sermos muito felizes. Peço a São Cipriano que o dinheiro, a riqueza e fortuna me procurem ainda hoje, peço isto ao Poder as Três Almas Pretas que vigiam São Cipriano, assim seja! Que o dinheiro, a riqueza e a fortuna venham logo de uma vez para minha casa, para a minha vida. Que os inimigos não nos vejam, não nos enxerguem, assim seja! assim será! Assim está feito! Oh! !
São !
Cipriano e as Três Almas Pretas que vigiam São Cipriano, atendam ao meu pedido!!! Quando acabar de ler esta Oração, publique-a imediatamente, e terás uma SURPRESA.

https://oracaosalverainha.com
Leia Mais

© Dállia Negra - 2016 | Template feito por: Adorável Design | Imagens de ícones e imagem do cabeçalho por: Jaque Design